sexta-feira, 11 de março de 2011

Cegueira






Tateio a areia granulosa
entre os dedos ágeis.

Piso o mármore gelado
sob os pés descalços.

Deito o corpo nú
num mergulho profundo nas águas.

Saboreio os lábios,
a saliva... a boca que anseio.

Ouço esta canção
sussurante ao pé do ouvido.

Experimento os sentidos:
o respirar, o pulsar...

E assim alcanço a vida...
Que em mim ainda habita.

Minha humanidade me fez cega
...cega da alma, se o que vejo não acredito!


Rosangela Ataíde
http://ogatodaodete.blogspot.com/



lagarta de luz que te adentra
invento de venta te centra
um tiro de brilho no espírito
um flash no lábio dormente
um feixe de sol na narina
das folhas sagradas andinas
dos incas que sabia(mente)
dos índios que cantam bolívia
por chlile peru ou colômbia
são sempre muralhas da china


rodrigo mebs

Nenhum comentário:

Postar um comentário