quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

marimbondos de fogo

césar castro - wermer além da alma

que mistérios tem clarice
o rio o mar o corcovado
a rocinha o méier engenho de dentro
que mistério tem o centro
a direita a esquerda
a massa o burguês o proletariado
são paulo goiás pernambuco
ceará tocantins maranhão
que mistério tem eunuco
pra não ser mais garanhão
que mistério tem a lapa
o tapa na cara do povo
que mistério tem o velho
que mistério tem o novo
acari madureira inhaúma
que mistério tem pavuna
pão de açúcar corcovado
que mistério tem a ilha
o planalto de brasilha
pra sarney mais uma vez
ser presidente do senado

estava em saquarema gritando para o mar que o amor é tempero de fogo pré sal cebola pimenta flora pensando as arte/manhas do padre filho espírito santo lembrou-me thiago de mello faz escuro mas eu canto uilcon pereira em entrevista me disse que a única coisa que não pode ser vista em assombradado são as tramóias do congresso a meia noite o expresso no cinema do absurdo e se esse texto que rola na internet sobre o tal do BBB se for mesmo do veríssimo a palavra ferina concreta eu juro que nenhuma das juras pode ser jura secreta


de roberto lopes agência brasil recebo a notícia que Centrais pedem a parlamentares agilidade sobre redução da jornada e fim do fator previdenciário as centrais sindicais entregaram hoje (1°) uma pauta de reivindicação aos parlamentares que tomaram posse hoje (1º) no Congresso. Entre os itens estão o projeto que reduz a jornada de trabalho para 40 horas semanais e o que acaba com o fator previdenciário.

As centrais querem sensibilizar os parlamentares em relação a essas questões. “Vamos buscar os parlamentares, os debates que se fazem nas comissões de trabalho no Senado e na Câmara dos Deputados para que possamos ganhar mais parlamentares a favor dessas propostas”, disse o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna.

Ele explicou ainda que a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais é importante para que os trabalhadores possam ter mais tempo livre para se qualificar. “O trabalhador poderia ter mais tempo para se qualificar e com isso daria um retorno ao nosso país e às empresas, melhorando a produtividade e a competitividade do Brasil em relação aos demais”. Hoje, a jornada de trabalho é de no máximo 44 horas semanais.

Sobre o fator previdenciário (fórmula para calcular o tempo de aposentadoria, que acaba prejudicando o trabalhador na hora de se aposentar) ele observou que as pessoas que começam a trabalhar mais cedo são as principais afetadas. “Porque com a contagem de tempo da aposentadoria, ele [trabalhador] acaba tendo uma idade menor na hora da aposentadoria. Mesmo trabalhando o tempo que a lei exige”, explicou.

O fator previdenciário leva em conta o tempo de contribuição do trabalhador, sua idade e a expectativa de vida dos brasileiros.

Ano passado, foi aprovada pelo Congresso Nacional uma emenda que acabava com o fator previdenciário, mas foi vetada pelo então Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Além desses dois temas está na pauta das centrais salário mínimo de R$ 580, a correção da tabela do Imposto de Renda e o reajuste dos benefícios para os aposentados que ganham acima do salário mínimo.


como isso aqui não é planalto central de brazilírica não temos que fazer concessões para escrever o que queremos não somos associados de nenhuma união brasileira de escritores compositores escolas de samba muito menos crio marimbondos de fogo me chamo federico baudelaire mestre sala da mocidade independente de padre olivácio a única instituição pública deste país que não tem negócios com a coisa privada no país do carnaval falo em verso mas é prosa no quintal da minha casa tem um pé de manga espada até a fruta está armada contra os encravos da rosa
federico baudelaire. - viagens insanas

Nenhum comentário:

Postar um comentário