quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Assimétrica




Tela de Fabian Perez

sinto o dedo que faz escorrer
a alça pelo meu ombro

cabelos disputam as margens
trianguladas das saboneteiras

impaciente você me canta
a saudade que tento não sentir

ah, se eu disser mais que isso
você me enlaça grosseiro

e eu nem finjo que resisto

Nenhum comentário:

Postar um comentário